Dicas

Menu do Ruella reflete a história da chef Danielle Dahoui

Andanças pelo mundo e a paixão pela boa comida e pessoas felizes

Nenhum estabelecimento gastronômico segue fazendo sucesso há 23 anos sem motivos específicos ou por pura ação de marketing. Esse é o caso do Ruella, restaurante que foi inaugurado em 1996 na Vila Olímpia pela chef Danielle Dahoui. Para a restauratrice, quatro pilares são importantes para manter o patamar alcançado pelo Ruella, que sempre mantém a casa cheia: o ambiente, o atendimento com investimento constante na equipe, a gestão e, claro, a comida.

O investimento nos produtos preparados e na apresentação dos pratos fez nascer a gastronomia de Bistrô de Autoria: de base clássica francesa, mas com culinária descomplicada, fácil, farta, saudável e interpretando várias culturas gastronômicas do mundo. Esse menu caprichado atraiu os comensais e revolucionou o meio gastronômico paulistano, no qual reinava a Nouvelle Cuisine: de porções em tamanhos reduzidos, preparadas em um tempo também reduzido e exibidas de maneira elegante e decorativa em grandes pratos. 

A avó Laura, filha de italianos, ensinou os primeiros passos em Pernambuco, de onde Dahoui é natural. Anos depois, na Bahia, descobriu o dom de cozinhar e servir. E viu que precisava aprender as bases para poder crescer e compartilhar. Foi para Paris e uma chef dentro dela começou a nascer. Ela aprendeu os melhores truques da tradicional gastronomia francesa com a mão na massa nos vários restaurantes em que trabalhou e com os olhos nos livros de culinária que encontrava nas bibliotecas. O menu do Ruella segue refletindo a história de sua proprietária: suas andanças pelo mundo e a paixão pela boa comida e pessoas felizes.

A cozinha do Ruella revisita e incorpora temperos de vários continentes com o paladar franco-pernambucano da chef e suas conexões italianas, mediterrâneas e orientais. Uma releitura despretensiosa e caseira traduzida para o paladar do brasileiro com muito sabor. Cardápio balanceado, com produtos selecionados de pequenos produtores, frescos e orgânicos.

Destaque para a entrada – cafta de cordeiro temperada com hortelã, deliciosa e suculenta, servida com mostarda de tamarindo. Há ainda opções como o tartare de salmão com limão-siciliano, dill e creme de wasabi sobre blinis de espinafre.

Destaque para as especialidades da chef – confit de pato ao molho roisin (molho chinês feito da pele do pato com especiarias orientais) com acompanhamento de tarte tatin de batatas com champinhons de Paris. Também há o Mignon Cordeiro ao molho Roti com Marsala e couscous marroquino com legumes e frutas secas. Para os amantes de frutos do mar, há o risoto de camarão ao curry com favas verdes, nirá, castanha de caju e chutney de banana.

Destaque entre os doces – pão de ló embebido em 3 leites com bananas brulée, sorvete de doce de leite e calda de maracujá.

No restaurante, a mutação é constante, Dahoui gosta de inovar sempre; mas o menu é onde a tradição e a alma do negócio se encontram: até hoje, 70% dos pratos permanecem sendo aqueles criados na época da abertura. A curiosidade é que existem pratos que nunca deixaram o menu, como os citados no destaque para a entrada.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.