Conheça Vigo, cidade do RC Celta, que já serviu de casa para Eduardo Coudet na era do portenho “Eurocelta”

Dicas Turismo

Ex-técnico do SC Internacional já atuou pelos célticos na temporada 2002/2003 – período em que o clube conquistou diversas façanhas no futebol, com forte influência de jogadores argentinos; cidade da Galícia também é famosa por ótima culinária e belas praias

As atrações turísticas da Espanha não estão resumidas às famosas Ibiza, Palma de Mallorca, Madrid e Barcelona. Localizada ao noroeste do país, na região da Galícia, há a cidade de Vigo – casa do RC Celta, mas que não vive apenas de futebol. Por lá, é possível encontrar uma natureza frondosa, cenários estupendos e uma das melhores gastronomias do mundo. Isso, sem falar no maior porto de pesca da Europa.

Peixes, frutos do mar e cames se destacam, enquanto as especialidades são os pratos à base de polvo – como ‘pulpo à feira’ e ‘pulpo a la galega’. Vigo também está rodeada de praias belíssimas, e existem muitos bosques nas proximidades. O mar e a montanha definem a paisagem galega. A cidade ainda oferece vida noturna vibrante e diversos espaços culturais, onde acontecem shows, exposições e eventos de variados tipos.

Tida por muitos como “cidade coringa” da Espanha, até pela grande movimentação em torno de seus pontos turísticos (que inclui até um bar brasileiro) e vastas paisagens que agradam diferentes gostos, Vigo é um destino quase que obrigatório a todos os turistas. E mais, por sua proximidade com Portugal, os habitantes de lá já estão mais que acostumados com o idioma português.

Clube com espírito latino

O nome do clube pode até estar ligado às tribos celtas, que passaram séculos vivendo na região que hoje é conhecida como Galícia (situada na parte noroeste da Espanha). Mas o clube não herdou apenas o nome, como também o espírito de batalha e bravura celta – que é, facilmente, confundido com o estilo latino de se jogar futebol. Especificamente de argentinos e, falando um pouco do Brasil, gaúchos. E curiosamente, um nome que mescla um pouco de tudo isso, é o de Eduardo Coudet, argentino que treinava o SC Internacional até o final da tarde desta segunda (09), e já vestiu a camisa do RC Celta.

Depois de começar sua carreira profissional em 1993, no modesto Platense, clube da grande Buenos Aires, Coudet passou por Rosário Central e San Lorenzo, até fazer história com a camisa do River Plate, conquistando nada menos que cinco campeonatos nacionais. Por lá, ficou de 1999 até 2004, quase que de forma ininterrupta. A única pausa aconteceu na temporada 2002/2003, quando vestiu justamente a camisa do RC Celta – seu único clube na Europa. Pelos célticos, o ex-meia disputou apenas 12 partidas, e ajudou a equipe a terminar com a 4ª melhor campanha, atrás de Real Madrid, da Real Sociedad e de seu maior rival RC Deportivo La Coruña.

Época em que o clube era conhecido como “Eurocelta“, após grandes façanhas na virada do século (dentre elas, o vice na decisão da Copa do Rei de 2001, depois de ter eliminado ninguém menos que o Barcelona nas semis) – além, é claro, da conquista de seu único título internacional até então, o da extinta Copa Intertoto da UEFA em 2000. Tal equipe que contava com diversos jogadores argentinos, como Gustavo López, Nelson Vivas, Fernando Cáceres, Mario Turdó, Pablo Cavallero, Toto Berizzo.

Depois, ainda jogou mais alguns anos em seu país natal, antes de aceitar o desafio de atuar no futebol mexicano e, já no fim da carreira, norte-americano. Como técnico, treinou Rosário Central (ARG) e Tijuana (MES), antes de fazer história por outro clube de seu país: o Racing, de Avellaneda, por onde foi novamente campeão nacional. Depois, em 2020, acertou com o SC Internacional, clube que deixa nas oitavas da Copa Libertadores, nas quartas da Copa do Brasil e na liderança do Campeonato Brasileiro.

O RC Celta, por sua vez, que está à procura de um novo treinador, após a demissão de Óscar Gárcia, não vive um bom momento. Em 17º na LaLiga Santander 2020/2021, com sete pontos somados (uma vitória, quatro empates e quatro derrotas), um a mais que os três clubes que ocupam a zona de rebaixamento, a equipe celeste não sabe o que é vencer há sete rodadas. E só volta a campo no outro final de semana, no dia 21 de novembro (sábado), quando visita o Sevilla FC no estádio Ramón Sánchez Pizjuán.

Não é só Futebol. É LaLiga. #HayQueVivirla

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.