Cidade

Orquestra Jovem de Guarulhos estreia no Festival de Inverno de Campos do Jordão

Precisão na execução da partitura. Atenção. Repetição que leva à excelência. A rotina de ensaios dos músicos da Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos (OJMG) se intensificou nas últimas semanas com a notícia de sua participação na 50ª edição do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, um dos mais renomados do país. O espetáculo, gratuito e aberto ao público, acontece neste domingo (7), às 13h30, na Praça do Capivari, em Campos do Jordão.

Sob regência do maestro Emiliano Patarra, o espetáculo destaca a participação da solista Marina Caputo e oferece ao público grandes clássicos da música sinfônica, como Mascagni, Brahms e Saint-Saëns, entre outros, sem desprezar a sonoridade da música popular brasileira, tão rica em Ary Barroso.

Esta é a primeira vez que a OJMG participa do Festival de Inverno de Campos de Jordão. O convite, resultado de um trabalho minucioso de formação dos instrumentistas, tem grande repercussão no meio sinfônico, sobretudo por colocar a Orquestra Jovem em meio aos grandes grupos do país, um lugar de respeito e reconhecimento, que agora extrapola os limites do município e ganha ares de genialidade nas montanhas de Campos de Jordão.

De acordo com o maestro Emiliano Patarra, há uma grande quantidade de profissionais da música de concerto e sinfônica que estudaram em Campos de Jordão e que, ao longo dos anos, promovem intercâmbio de conhecimento entre algumas cidades, como Guarulhos. “Há uma grande sintonia entre a proposta do Festival de Inverno de Campos de Jordão e as atividades da Orquestra Jovem, iniciativas que têm a intenção de inserir os instrumentistas na etapa de especialização, a fase final de sua formação, que certamente fará diferença em suas carreiras musicais”, explica Patarra, enfatizando a importância dessa experiência para a vida profissional dosmúsicos.

Amadurecimento e leveza

O dedilhado, as palhetas duplas, a técnica e a dificuldade de aprendizagem do fagote, instrumento de madeira da família do sopro, nunca intimidaram a jovem Vitória Marques de Oliveira, 22 anos. “Sou encantada pelo seu timbre”, confessa sorridente. Instrumentista da OJMG desde o final do ano passado, Vitória conta que seu interesse em tornar-se musicista surgiu aos nove anos, quando cursava a 4ª série do Ensino Fundamental, na escola municipal D’Almeida Barbosa, no Gopoúva. Naquela época, ela participava de projeto para ensino de música nas escolas da rede pública, o Pimentinhas. Desde muito cedo, o Teatro do Adamastor, local em que hoje acontecem regularmente os ensaios e espetáculos da OJMG, já havia se tornado para ela um ambiente de livre circulação de arte e cultura.

Depois de conseguir uma vaga como bolsista na Orquestra Brasileira do Auditório (OBA), onde se formou no ano passado, foi uma questão de tempo até que Vitória passasse nos testes do Conservatório Municipal de Guarulhos e conquistasse um posto como fagotista na mais importante orquestra de sua cidade.

Sobre a expectativa de participar pela primeira vez de um espetáculo em um dos mais importantes festivais do país, a jovem ficou bastante contente quando soube que era uma dentre os dois fagotistas escolhidos para o evento em Campos de Jordão. “Eu queria muito ir, esse espetáculo é muito importante tanto para os músicos e para a orquestra quanto para a cidade de Guarulhos”, celebra.

Ao contrário de boa parte dos jovens que ocupam postos como bolsistas nas orquestras do país, e que enfrentam grandes dificuldades para conciliar seus estudos e manter os altos custos de manutenção de seus instrumentos, Maria Clara Leme Rosa, 24, não teve problemas no momento de escolher a carreira como musicista. Proveniente de uma família de músicos, a mogiana de olhos vivazes sempre teve incentivo de todos para a prática do contrabaixo. Instrumento grande e imponente, o contrabaixo acústico é um dos responsáveis pela base harmônica da orquestra e exige de seu praticante uma condição física adequada para seu domínio técnico.

Na Orquestra Jovem desde 2016, Maria Clara conta que o aprendizado para o músico de orquestra é constante e que, no caso dos instrumentistas que hoje tocam na OJMG, o incentivo e o aporte da Prefeitura, além do estímulo do maestro Patarra, são fundamentais nessa fase tão importante de sua profissionalização. Neste contexto, o convite para participação no Festival de Inverno de Campos de Jordão lhe deu uma sensação de muito orgulho.

“Sabemos que isso é fruto de um esforço em equipe. Trabalhamos todos juntos com grande compromisso para tudo fluir, temos um maestro que se esforça para que possamos ter melhores condições de trabalho e conhecimento técnico para participar do festival. É como se fosse um presente, o reconhecimento de um trabalho incessante, que torna a OJMG uma orquestra versátil e, por isso, popular, e da qual toda a cidade de Guarulhos deve se orgulhar”, comemora a jovem.

Monik Freitas, 24, também é instrumentista da OJMG desde 2016, mas, ao contrário de Vitória e Maria Clara, ela conta que se aproximou da música aos 14 anos, na igreja cristã que frequentava. Depois de quatro anos estudando violino no Conservatório Municipal de Guarulhos, ela finalmente conseguiu comprar o instrumento de sua preferência, a viola, completamente adaptada à sua estatura. Segura de que ser instrumentista da Orquestra Jovem é um caminho que lhe dá grande satisfação, Monik conta que, desde pequena, tinha o hábito de assistir aos programas de música clássica da TV Cultura. Com o tempo e os anos de estudo, ela percebeu que o sonho de tocar numa orquestra era algo possível, mesmo para jovens de famílias humildes, vindos da periferia.

Ansiosa e contente com a data do espetáculo que se avizinha, a jovem guarulhense está bastante entusiasmada com o Festival: “Estamos todos muito animados, conhecemos muito bem o repertório que vamos levar para Campos do Jordão, músicas que já executamos em outras ocasiões durante a Temporada da Orquestra, canções leves e cativantes para que o público possa desfrutar desse espetáculo tanto quanto os músicos” explica Monik, sem esconder a alegria de visitar Campos de Jordão pela primeira vez.

Sobre o festival

O Festival de Inverno de Campos do Jordão foi criado há 50 anos pelo maestro Eleazar de Carvalho. O Festival segue um modelo inspirado no Festival de Tanglewood, que busca conciliar a formação de instrumentistas com vivências musicais específicas. Pelos palcos do Festival, localizados em pontos de destaque na cidade, já passaram grandes e importantes orquestras.

Além de um lugar para se aprender música, Campos de Jordão, por meio de seu festejado Festival de Inverno, tornou-se um local atraente pela possibilidade de apresentação para um público especializado e interessado em música sinfônica.

Serviço

Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos

Data: domingo, dia 7 de julho, às 13h30

Local: Praça São Benedito – Vila Capivari – Campos do Jordão – SP

Gratuito

Classificação livre

Programa

Emiliano Patarra – Regente

Marina Caputo – Violino

Mascagni | Cavalleria Rusticana: Intermezzo

Brahms | Dança Húngara nº 1

Saint-Saëns | Concerto nº 3 para Violino em si menor, Op. 61

Grieg | Peer Gynt: Suite nº 1, Op. 46 – Amanhecer

J. Williams | Guerra nas Estrelas: Tema (1º Movimento)

Ginastera | Estância, Op. 8a: Malambo

Ary Barroso | Aquarela do Brasil

Anúncios

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.